Partners Business Council

Como inovar para o pobre ? Pragmatismo em inovação

Como inovar para o pobre ? Pragmatismo em inovação

2016-10_pbc-group_como-inovar-para-pobre
“A simplicidade é o último grau da sofisticação” – Leonardo da Vinci.

Não sou especialista em inovação, mas sim um observador e admirador da genialidade das soluções simples e eficientes.

Esse conceito de fazer mais com menos, de gerar soluções de baixo custo de modo criativo e eficiente passou a ser denominada há algum tempo como Frugal Innovation (*). Os empreendedores orientais principalmente da Índia e China lideram atualmente essas habilidades. As soluções que focam em alta funcionalidade a baixos custos têm se mostrado bastante adequadas para os mercados dos países emergentes, mas algumas já começaram a ser adotadas em mercados do primeiro mundo.

No mercado de alimentos e bebidas no Brasil, tive oportunidade de acompanhar em distintos momentos alguns exemplos desse toque de genialidade empresarial, como nos casos abaixo:

(1) Sazón (Ajinomoto)
Numa reunião com o VP Global da Divisão Alimentos na multinacional anglo-holandesa de ingredientes que eu trabalhava, em determinado momento ele virou para equipe brasileira e perguntou, o que vocês podem vender para arroz ou feijão? Nós ficamos atônitos e sem resposta.
Quem deu a brilhante a resposta foi a Ajinomoto ao utilizar o seu produto básico Mono glutamato de sódio (MSG), conhecido como Ajisal, como base da linha de temperos prontos em sachê Sazon, inicialmente para feijão e arroz. A empresa explodiu no mercado brasileiro.

(2) Farofa Pronta (Yoki)
Todo brasileiro de norte a sul adora um churrasco, mas a farofa um dos principais acompanhamentos tinha que ser preparada longe da churrasqueira. Isto até a empresa (Yoki) que comercializava entre outros produtos a farinha de mandioca ter a genial ideia de agregar valor a farinha e lançar a Farofa Pronta Temperada, extremamente prático e de sabor que agradou tanto aos consumidores que foi sucesso imediato.

(3) Cracker gostinho Manteiga (Vitarella – M. Dias Branco)
Existe produto mais tradicional que biscoito cracker? Em Pernambuco, este subsegmento de mercado diminuía a cada ano e sem diferenciação entre os diversos fabricantes. Neste cenário a empresa Vitarella resolveu simplesmente dar um toque de sabor de “manteiga de garrafa” no seu cracker, e o sucesso foi tão grande no Nordeste que o produto revitalizou a categoria e virou referência não só na região, mas para o resto do país.

No mercado brasileiro, que vivencia uma queda brusca e dramática do poder aquisitivo do consumidor, os empresários e os profissionais das áreas técnicas e de marketing tem que pensar e trabalhar com esse tipo de mentalidade, e parar de agir somente como vândalos da qualidade dos seus produtos por redução indiscriminada de custos.

(*) literatura sugerida sobre Frugal Innovation
– Frugal Innovation – How to do more with less
Navi Radjou; Jaideep Prabhou.
– Reverse Innovation – Create far from home, win everywhere.
Vijay Govindarajan; Chris Trimble.

Autor do artigo: Luiz Azevedo

Eng.º Químico, MBA Marketing, Mestre Economia, diretor da Profiler Business Consulting e sócio da PBC – Food & Beverages Consultants.